Pular para o conteúdo principal

QUEM É? >> Carla Dias >>


Mantém tudo em ordem, que não vai deixar problema a ser herdado. Tem horror à ideia de entregar seus fantasmas aos que esperam recebê-los, apenas para se dizerem gentis ao acudirem ser tão complexo. Não se importa se herdarão seu dinheiro, seus imóveis, sua coleção de quadros, seus discos do Frank Sinatra. O que não deixa de herança é a sua história.

Os mais próximos, como gostam de se colocar, são apenas transeuntes na estrada da história dele. Sim, por mais respeitoso que ele seja com seu semelhante, generoso, até, há esse limite estabelecido em nome da intimidade consigo mesmo. Ninguém ultrapassa a linha que o defende da intimidade com o outro. Tem uma preguiça... sim, meus caros, é preguiça mesmo. Tem uma preguiça imensa de se mostrar ao outro. Imaginem o tempo gasto a contar lorotas, antes de entregar verdades? Não tem paciência para isso, nunca desejou conquistá-la. É absolutamente contra qualquer redenção que exija prefácio.

A casa grande, de cômodos a ecoarem o silêncio. Ali vive a versão oficial dele, entre móveis que moram lá desde sempre, a poeira muito bem-comportada debaixo de tapetes que já foram apreciados por olhares deslumbrados, quando estavam no ápice de sua juventude. Ninguém dá muita atenção aos tapetes que resistem, quando suas cores desbotam sob os pés do tempo. As janelas protegidas do lá fora por leves cortinas, porém ótimas bloqueadoras de olhares curiosos vindos lá rua.

O perfume do café se espalha pela casa. Às vezes, gosta de quebrar o silêncio com uma e outra canção do Frank. Não que ele seja cool, habituado à finesse do cantor. É acomodamento necessário, entende? A alma se entrega à melodia, ainda que lhe dê certa agonia abrandar espírito desejoso por sons mais escandalosos.

Há dias em que o desejo é pelas gritantes guitarras.

Toma seu café a apreciar janela cortinada. Vento entrando pela humilde abertura e levantando suas saias drapeadas. Frank canta as palavras como se elas fossem realidade inquestionável, ainda que, para ele, elas soem mesmo feito invencionice sem fim: You learn from every lonely day/I've learned and I've come back to say/let me try again. Ele sorri, como quem diz ao Frank que há quem aprenda mais do que reconhecer necessidade de companhia, em dias de solidão. Aprende-se o desapego ao desejo do outro em nos transformar em seus sonhos realizados. Aprende-se a aceitar a própria companhia sem o peso de quem não escuta outra voz ecoando pela casa.

Aprende-se que, antes só do que desacompanhado na presença de alguém.

Ele tem consciência do que falam sobre ele por aí. Os que orbitam sua existência, divertem-se e irritam-se com a ironia que ele destila. Acostumados a ela, eles não percebem os entretons, e assim ele se defende do desejo alheio de se alcançar os arrabaldes do ser que ele é. Sabem dele o que ele permite. Recebem dele o que ele permite. E ele, tolamente, acredita que está no comando de si, porque tudo o que quer é que herdem seus fantasmas, e os dispam, e os cutuquem com curiosidade programada, de acordo com o que já foi decidido por pura possibilidade de se emitir uma opinião. Que inventem para ele problemas dramáticos, sentimentos profundos, limitações comoventes. A barbárie do clichê.

Porém, uma dessas revistas de traçar perfil o definiria em um teste. Uma das canções de Frank o faria sem grandes complicações. O que ele faz é distrair as pessoas para que elas não percebam o raso do que ele representa. Porque ele acredita, equivocadamente, que não há forma mais eficiente de se sair ileso dessa vida do que abster-se de seus rompantes. Permanecer à deriva dela.

Raso, apesar do desejo de mergulhar.

Frank para de cantar. Acabou o café. O vento partiu e a saia da cortina despencou sua beleza. Sentado em sua confortável poltrona, ele arrasta pés descalços em seu tapete de muito antes de hoje. A poeira sobe, estreando a mirrada luz do sol como seu holofote. O silêncio de lá fora se acopla ao silêncio daqui de dentro. As paredes parecem gritar a mudez definitiva. Por um segundo, ele se desespera, mas passa. Nada de deixar seus fantasmas de herança. Eles são o seu segredo.

O telefone toca e ele atende. Uma voz que ele não reconhece pergunta quem é? E ele é tomado por um desespero incomum, de quem perdeu o rumo diante de um questionamento nunca feito. Não sabe o que responder.

Silencia.




Imagem: The musings of the solitary walker © Rene Magritt

Comentários

cronica tijucana disse…
Wonderful!!! Just the max! It gives pleasure to read such a text.

Abraços,
Enio
Carla Dias disse…
Thanks, Enio. :) Como sempre, agradecida pela gentileza da leitura.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …