Pular para o conteúdo principal

HOMENS OPACOS>> Analu Faria


Homens que não falam, aparentemente não sentem, homens que não discutem, homens de salão. Homens cordiais demais (cercados de mulheres assustadas demais ou acomodadas demais) para afrontar as atrocidades de outros homens que, nesses mesmos salões, dizem violências em tom de piada, com naturalidade. Homens que se dessensibilizam em dinheiro, status, álcool, religião. Homens que, em meninos, fecharam-se e jogaram as chaves de si mesmos fora.

Fantasmas. Vagando pelo limbo casa-trabalho-happy-hour-fim-de-semana, em busca de uma masculinidade perdida, isenta de memória, isenta de criatividade, isenta de qualquer traço florido. Bolsonaros-wanna-be e suas versões mais light, deixando-se levar apenas pela sensibilidade das crianças. Só delas.

Crianças crescidas. Com grossas capas amarelas que os protegem contra uma chuva que não vem. A vontade de gritar quando criança, a diferença enxergada desde cedo – repelida - , a violência que não se desvê e outros porcos selvagens grunhindo no porão estão todos dentro de casa, mas a proteção é usada para o exterior, mesmo em dias ensolarados: longas capas de chuva grudadas à pele embranquecida e desnutrida.

Animais doentes, que atacam insetos como quem caça javalis e deixam-se pisotear por leões mansos de jubas grandes. Perderam o contato com o espírito selvagem e sábio que os alimentava. Homens com medo de serem monstros, homens que temem deixar de sê-lo.


Uma reflexão sobre alguns homens que conheço e sobre a dor de linhagens e linhagens de mulheres aparentemente condenadas a viver com homens fechados, sempre encapuzados, desnutridos, sensíveis apenas a crianças e olhe lá. Uma reflexão de fim de semana, motivada pelo belíssimo “Sete minutos depois da meia noite”, filme em que um garotinho tem que admitir para si mesmo que queria que a mãe morresse logo, porque assim, pelo menos, ele não sofreria mais com a dor de não saber se iria ou não perde-la para o câncer. No filme, o garoto é procurado por um monstro que o força a admitir essa verdade dolorosa. Pareceu-me que depois de dizê-la em voz alta o garoto se transformou, toda a fotografia do filme mudou de cor, deixando o menino finalmente visível em tons brilhantes, acabando com a opacidade que o caracterizava.

Comentários

sergio geia disse…
Estava me perguntando onde a Analu foi buscar essa inspiração... Profundo, Analu, pra ler mais de uma vez. Bela reflexão! Vou procurar esse filme. Por falar em filme, outro dia me peguei tomando um uísque na sala de casa, plena segundona de manhã (estava de férias tá) assistindo "A última vez que vi Paris", com Elizabeth Taylor, um filme de 54. Fim de carreira? Nada! Tava uma delícia, e que filme maravilhoso. Indico sem pestanejar! Nada a ver com a crônica, né? Desculpa rsrs. Mas voltando nela, adorei. Aliás, vou ler de novo. Bjs, Analu!
Anônimo disse…
Como sempre um belo texto. Com um pouco do filme e muito do seu caos.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …