Pular para o conteúdo principal

BANALIDADES >> Sergio Geia

 

Deitado, meio dormindo, me lembro da afta debaixo da língua. Achei que ela não iria pra frente; foi. Levanto. Vou ao banheiro e pego um cotonete. Olho no espelho, ergo a língua, começo a cutucar. Cutuco, cutuco, cutuco. Levo o cotonete mais a fundo. Cutuco, cutuco, cutuco e encontro a danada. Viro o cotonete e, a ponta ainda seca, encharco com Omcilon. Vou deitar com a boca cheia de pomada, o estômago esquisito, um gosto de tempero pronto na boca. Na tevê, passa um documentário legal sobre o Jards Macalé. 
Uma vez ouvi alguém dizer que homem não consegue organizar nem o bolso da calça. Na frente da minha porta, vasculhando o meu bolso, a sacolinha do supermercado pesando nas mãos, tento encontrar a chave. São várias chaves no bolso, uns papeizinhos, um pen drive, um halls preto, um clipe de papel. Me irrito profundamente. Acho que pouca coisa me irrita mais que isso. Tiro um molho de chaves, cai um comprovante de débito no chão, o halls também cai, pego outro molho de chaves, mudo ele de mão, até que depois de tirar quase tudo, eu consigo pegar a chave da porta. Dou uma virada, tiro-a da porta, volto pro bolso, puxo a maçaneta pra baixo e entro. Ou tento. A porta não abre. Estava com duas voltas, o dedão do pé doendo. 
Levanto, vou ao banheiro, pego um cotonete. Cutuco, cutuco, cutuco. O tubo da pasta está de cabeça pra baixo. Sonolento, a primeira impressão é de estranhamento. Depois, a ficha cai. É a nova técnica para tubos quase vazios. Em pé, o creme fica embaixo, você aperta, ele não sai. De cabeça pra baixo você resolve o problema. Aperta, sai. A técnica é simples, mas funcional. Olho pro espelho. O cabelo desgrenhado me força a tomar banho. Quando eu cortava à máquina não precisava. Tá frio e desisto de caminhar. Mais uma vez. Sempre que isso acontece, me bate uma melancolia. Na janela, um alvorecer lindo.
Enjoado de hambúrguer industrializado, converso com o Julio, e decido criar o meu. Pego a carne moída já descongelada e a divido em três. Ponho uma porção nas mãos e começo a modelagem. Meio imberbe no processo, fabrico três bolotas disformes. Tempero por fora com um temperinho pronto e jogo na panela. Aumento o óleo, diminuo o fogo. Descubro que o sabor é bom, muito melhor que um Sadia, embora tenha carregado no tempero. No quarto, vejo os sapatos enfileirados debaixo da cama. Honestamente, não me incomodo. Deveria? A primeira faxineira que teve aqui guardava tudo no guarda-roupa. Falei pra parar. 
A amiga que me ajuda na limpeza do apartamento vem. Me lembro dos produtos de limpeza que ela me pediu e que esqueci de comprar. Vou a pé até o Extra que fica na avenida de casa. No caminho, me arrependo de ter ido de havaianas. Tenho o segundo dedo do pé encavalado sobre o dedão, isso nos dois pés, um pequeno defeito de fabricação. A tira do chinelo se infiltra entre o dedão e segundo dedo, e vai detonando os dois. Chego ao supermercado e ainda consigo manter a pose, tentando esquecer o ménage que acontece entre a tira, o dedão e o segundo dedo. A faxineira vem. Penso que tenho que separar as roupas pra lavar, algumas camisas pra passar, anotar instruções, deixar o dinheiro debaixo da tartaruga. Chego com o dedão doendo, e não encontro a chave da porta.  
O cabelo desgrenhado me força a tomar banho. Quando eu cortava à máquina não precisava. Lembro que a resistência do meu Lorenzetti queimou. Vi um vídeo no YouTube outro dia e fui à luta. Trocar a resistência de um chuveiro é um ato prosaico. Basta saber qual é o conector “a”, o conector “b” e o conector “c”. No chuveiro, tem marcado as bases “a”, a “b” e a “c”. E só encaixar e dar uma apertadinha usando um alicate. O problema é que não sou muito habilidoso com essas coisas; além do mais, tenho que fazer a troca lá em cima mesmo, com o chuveiro instalado; não quero retirá-lo, mexer com a parte elétrica. Meus dedos são grossos, os espaços que tenho pra trabalhar são estreitos. Tá frio e desisto de caminhar. Mais uma vez.
Entro debaixo do edredom. Desejo descansar os dedos, o dedão detonado por um ménage com a tira das sandálias e o segundo dedo. Ponho os óculos, pego o livro. Antes, olho as anotações à mão, que encabeçam umas páginas. Faço assim: quando encontro uma palavra bonita, escrevo na parte superior da página. Tem livros com muitas palavras bonitas. Açular, por exemplo. Açular significa provocar, estimular, excitar. Açular é uma palavra linda. A sensação é tenra, um céu todo feito de rosa dúbio e vagaroso, outra lindeza que encontro. Não a sensação, que é minha mesmo, mas o céu, que é do Raduan. E são muitas, mas nada que impeça esse mesmo céu de escurecer, o corpo lasso acusando a semana. Fecho a janela, não sem antes dar uma espiada nas plêiades, que descobri outro dia lendo um conto do Caio Fernando Abreu. Apago a luz. Ligo a tevê. Passa um documentário legal sobre o Jards Macalé. Deitado, meio dormindo, me lembro da afta debaixo da língua... 

Comentários

paulo pereira disse…
É que você não se lembra, mas, neste dia, faltava luz por um defeito no transformador. E chovia muito, com vento forte e trovões barulhentos.

Paulo Pereira
sergio geia disse…
Bela chuva! Gde abraço e grato mais uma vez,
Zoraya Cesar disse…
" tentando esquecer o ménage que acontece entre a tira, o dedão e o segundo dedo." hahahaha, morri de rir com a imagem! Mais uma delicadeza de crônica, Sergio, mto bem engendrada.
sergio geia disse…
Grato, Zoraya! "Vce não sabe o quanto eu caminhei... pra chegar até aqui..." Meus dedos foram testemunhas hahahaha

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …