Pular para o conteúdo principal

O ANDAMENTO DO TEMPO >> Carla Dias >>


Há o que já não fazemos, porque esgotamos a capacidade de nos dedicar ao feito. Há também o que abandonamos, nem sempre por vontade própria, quase sempre por conta dos acontecimentos que não temos como comandar.

Olhamos para a juventude com certa distância. Ainda a achamos atraente, a desejamos – metafisicamente – com certa elegância. Porém, concordamos que seria um fardo viver a eternidade, não é mesmo? As urgências, aquelas urgências que perdem o valor com o tempo. Tivemos de vivê-las para reconhecermos que a utilidade delas não é nos levar às conclusões, mas ao questionamento.

Levamos uma vida para entendermos que as perguntas, ainda que desprovidas de respostas, contam histórias. Mais do que isso, acontece de elas mudarem essas histórias.

Olhamos para a juventude com certa intimidade, quando se trata dos nossos afetos. Chegamos mesmo a nos emocionar com a forma como eles descobrem a vida. Como não observar o tempo acontecendo a eles e torcer para que o processo seja menos complexo quanto foi para nós? Porque pode acontecer de a complexidade não apenas desnortear, mas também doer, enfraquecer, desesperar. E se há algo que a vida nos ensinou é que sempre desejaremos mais leveza à vida dos que amamos.

Até chegarmos aqui, muito foi incluído nesse currículo existencial: nascimentos, abandonos, descobertas, perdas, conquistas e muitas canções, que nossa vida jamais seguiria inspirada se não fosse a música.

A partir de um momento, variando de acordo com o freguês, observar-se é mais complexo, e não apenas no espelho. Aceitar a efemeridade de quem somos não é das coisas mais fáceis, tampouco deleitáveis. Mas não vivemos apenas dos prazeres, certo? Nossas dores e tristezas nos acompanham e nos moldam e nos abraçam e nos sustentam e nos inspiram. As alegrias, idem, mas não com tamanho poder de nos fazer escutá-las. Felizes, acabamos distraídos das pequenas tragédias. Essas fugazes distrações não são somente bem-vindas, mas necessárias.

Precisamos de pausas.

Não vamos cair naqueles clichês que resumem o que não pode ser resumido. Envelhecer é aprendizado árduo, porque o processo chega com a necessidade do desapego, e não é por objetos que adoramos, dos quais não queremos nos desfazer. É por aquela pessoa que imaginávamos ser, sendo que, hoje, percebemos que aquelas eram identidades forjadas na espera pela conquista mais importante. Aquela conquista que nunca veio, como aquele evento especial no qual usaríamos roupas especiais que nunca saíram do guarda-roupa.

Envelhecemos, então. Sei que muitos dirão que ainda é cedo para falar a respeito, outros darão a sugestão de mantermos a máscara da juventude por mais algum tempo, até que seja impossível usá-la.

Não enxergamos outro caminho. Despir-se dessa máscara é o que temos feito, porque as outras opções em nada nos agrada. Talvez haja alguma beleza em se entender com essa versão de nós, que não se fia mais pela possibilidade de deslumbramentos vazios, pela forçada adequação, pela necessidade de se identificar com todos, exceto consigo mesmo. As outras identificações precisam da honestidade do querer.

A honestidade do querer é parecida com o tempo. Ela nos ajuda a compreender o que importa, o que de fato faz parte de quem somos.

As histórias de quem fomos convergem nesse ponto. Então, envelhecemos. Ainda somos os mesmos de antes, mas o antes já não nos toca mais como antigamente.

Imagem: Femme au miroir © Pablo Picasso

Comentários

Anônimo disse…
Urrú! Tão nova e já conhece tanto da vida.
Surtei de espanto.

Abraços,
Enio,
Denise Odara disse…
E ainda que a alma quisesse não compreenderia a beleza do texto, pois não envelhece.
Bjs
Denise Odara
Odara
Zoraya Cesar disse…
"Então, envelhecemos. Ainda somos os mesmos de antes, mas o antes já não nos toca mais como antigamente.". Maravilhoso, como sempre. Vc sempre surpreende, Carla, cada vez melhor!Nem sei como isso é possível.
Carla Dias disse…
Enio, estou aprendendo com ela. Espero ser uma boa aluna da vida.

Denise, a alma é debochadora de tempo que passa. Ainda assim, alimenta-se do que ele ensina.

Zoraya, obrigada. Gentileza, sempre a gentileza sua me comove.

Maxi, obrigada. Maravilhosa é você.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …