MUITO BARULHO PARA UNS, MUITO SILÊNCIO PARA OUTRAS >> Clara Braga

Johnny Depp é homenageado por atuação em filme, mesmo após ser acusado de abuso e violência contra a ex-esposa.

Woody Allen já recebeu homenagem pelo conjunto de sua obra, e seus filmes concorrem ao Oscar sem grandes problemas. Ele não vai aos eventos porque não gosta de premiações, mas não está impedido de frequentar nenhum lugar, mesmo que sua história de vida, principalmente no que diz respeito à casamento, seja no mínimo bizarra.

Aliás, os casos de assédio são tão pouco considerados pela academia que em 2018, o próprio presidente da academia do Oscar era investigado por assédio sexual.

Morgan Freeman foi premiado pelo sindicato dos atores mesmo após oito mulheres o denunciarem por abuso sexual.

Charlie Sheen era um dos atores mais bem pagos quando foi acusado de violência doméstica e estupro. E se você pesquisar o motivo de seu afastamento do seriado Two and a Half Men, vai encontrar divergência salarial e uso de drogas, mas bater em mulher não é motivo suficiente para fazer um homem perder o emprego.

Aliás, se você jogar o nome de qualquer um desses caras já citados no google, vai encontrar várias reportagens falando sobre o quão geniais eles são, altura, onde nasceram, o que gostam de fazer, comer e ouvir e, só então, se você tiver persistência na pesquisa, vai encontrar algo relacionado ao fato de serem pessoas abusivas.

O Brasil não fica para trás, é ator que agrediu mais de uma mulher e continua escalado nas maiores novelas da globo, é jogador de futebol que estupra ou mata e segue jogando, é técnico de futebol que estuprou e hoje é o mais bem pago do ramo, e isso sem falar de um dos casos mais bizarros que eu já vi: o mendigo que expôs para o Brasil inteiro com riqueza de detalhes a relação que teve com uma mulher que agora está internada em hospital psiquiátrico, e é aclamado por onde passa, deve até se tornar político.

Antes que vocês desistam de ler essa crônica baixo astral que só fala de violência, me explico: não aguento mais tanto debate, opinião, textão, crônica, post, stories, memes, análise e tudo mais o que for possível sobre o tapa do Will Smith.

É sério mesmo que em uma indústria que fez uma boa parte de sua fama violentando mulheres, vocês se abalam mesmo é com o tapa?

Não estou discutindo se foi certo ou errado, isso o tribunal da internet já está discutindo incansavelmente, e eu já cansei do assunto. Mas precisava registrar minha tristeza em saber que as pessoas correm para lotar o show de um “comediante” que faz uma “piada” com a condição de saúde de uma mulher. 

Às vezes penso que o mundo já acabou mesmo, a gente é que se recusou a ir embora! São tempos difíceis para ser mulher!

Comentários

Nadia Coldebella disse…
Tenho pensado muito, há muito tempo, nessa falta de sentido que nos cerca. São tempos aleatórios, em que as pessoas jogam dados para escolher como se comportar.

Sobre o mendigo, eu tenho pena dele. Pense comigo: tão desequilibrado quanto a moça, está sendo elevado a patamares astronômicos pelos seus novos amigos que, em breve, acharão um novo brinquedo. E tão logo isso aconteça, descerá em queda livre, sem mão nenhuma que o ampare, talvez para mergulhar definitivamente na sem-noçaozisse dos nossos tempos.

Continue se indignando, querida! Precisamos de todas as vozes que pudermos juntar!

Big bjo 👽
sergio geia disse…
A hipocrisia está em todo lugar. Seus texto escancara àqueles que se negam a enxergar, um pouco desses tempos sombrios. Show, Clara!
Alfonsina disse…
Acho que os tempos nunca foram bons para as mulheres... seu texto escancara estas situações que acabamos banalizando. Nossa sociedade está mesmo doente... não conheço este caso do mendigo, mas me pareceu realmente muito bizarro. Obrigada por trazer um pouco de lucidez!
Albir disse…
As mudanças na legislação e nos discursos levam muito tempo para se traduzir em alterações concretas no comportamento das pessoas e das instituições quando se trata de direitos das mulheres.

Postagens mais visitadas deste blog

DIAS MELHORES >> whisner fraga

O MENINO DA MEIA PRETA >> Sergio Geia

O PAVÃO AZUL >> Sergio Geia