Pular para o conteúdo principal

TRÊS AFETOS >> Carla Dias >>

Nessa reestréia do Crônica do Dia, selecionei a trilogia dos meus atuais afetos para levar a vocês o quanto é bom voltar a este espaço e poder comentar sobre arte e humanidade. Obviamente, não deixaria de abusar também das novas ferramentas, portanto também poderei elucidar melhor essas minhas querenças.

Tenho um amigo que é artista em várias linguagens. Músico, poeta e já li roteiro dele pelo qual me apaixonei. Anda com o pé na animação e o seu talento para a fotografia é inspirador... Tão inspirador que eu estava passeando pelo site dele, ainda ontem, e me deparei com uma imagem na qual me detive, como se eu também estivesse sentada naquele banco, observando a imensidão. Olhem só:



O nome do meu amigo é Jander Minesso. Quem estiver a fim de conhecer outras imagens, acesse o site clicando AQUI. A viagem será bem agradável.

Semana passada, eu estava visitando o site da Dave Matthews Band e vi que um dos projetos do Dave Matthews é uma gravadora chamada ATO Records (According To Our Records), fundada pelo próprio e por Coran Capshaw, Michael McDonald e Chris Tetzeli. Essa gravadora é responsável pelo lançamento do recente CD da dupla que faz parte dos meus afetos em pauta: Rodrigo Sánchez e Gabriela Quintero. Mexicanos que hoje vivem na Irlanda, formam uma dupla de violonistas que não negam a paixão pelo heavy metal (no CD “Rodrigo y Gabriela” há até uma versão para a canção “Orion” do Mettalica), mas fazem uma música universal.

Violonistas peculiares (Rodrigo é rápido e preciso e Gabriela tem um quê percussivo), merecem a atenção daqueles curiosos pela música e que buscam por novidades. Para que compreendam um pouquinho sobre o que falo, segue o vídeo da música “Diablo Rojo”, uma das minhas preferidas.




Meu terceiro afeto foi descoberto numa madrugada da semana retrasada, quando eu assistia televisão naquele ritmo de quem não encontra lugar onde ficar. Deparei-me com esse filme sueco que chegou a ser indicado a vários prêmios, entre eles o Oscar de Filme Estrangeiro em 2005, mas que eu ainda não tinha assistido.

“A Vida no Paraíso” (Så som i himmelen – 2004), dirigido por Kay Pollak, conta a história de Daniel Daréus, um maestro que há muito tempo está à frente das mais importantes orquestras do mundo. Ele sofre um ataque cardíaco que o obriga a parar com a ostensiva agenda de apresentações. Daniel volta para a sua pacata cidade natal para afastar-se da música, mas é lá que ele reencontra a essência dela, assim como a sua própria.

Ao começar a trabalhar com o coral da igreja, Daniel sugere aos seus integrantes que busquem pela “voz interior”. E assim como condutora da música, a voz também se torna personagem dessa história sobre rever o passado e conquistar novos rumos.



Espero que meus afetos estejam à altura da comemoração deste dia... Bem-vindo de volta Crônica do Dia e amigos cronistas e leitores!

www.carladias.com

Foto Rodrigo y Gabriela: Tina Korhonen
Foto A vida no Paraíso: divulgação


Comentários

tania melo disse…
Carla, sensacional!
O retorno da Cronica do Dia,de verdade,me causa emoção, pois é um site que deixou a gente com saudades e gostinho de quero muito mais.
Além do quê,retorno em alto estilo, repleto de recursos, possibilitando uma visualização do tema abordado. Maravilha!
Meus sinceros parabéns pela escolha dos três afetos. Um mais lindo do que o outro!
A foto do Jander, de verdade, nos coloca sentados no banco, sem vontade de sair dali.
Os dois músicos, menina, que sensação.
O filme, ainda que não tenha assistido, só pelo tema e o que relatas, já me encantou.
Amei tudo: o retorno do site e o presente que nos ofereceste sobre a arte e a humanidade.
Beijos e obrigada por me convidar.
Ueeeeeba! O Crônica do Dia voltou.
Carla,

Adorei seus três afetos e os recursos utilizados.

Também assisti ao filme. É absolutamente encantador.

Beijos e boa sorte a todos nós.

Cintrão
Ilton disse…
A "culpa" de eu estar aqui é da Tânia, aí em cima, que me indicou seu blog. Seus três afetos me são comuns e isto não deve ser inédito. Quantos, neste mundo, não os elegem como seus? Apenas o meu gosto pela música é dirigido para uma linha um pouco diversa: a música erudita. Mas gosto de todos os estilos, desde que me agradem ao ouvi-las. De vez em quando também cometo algumas crônicas e poesias. Um beijo.
Minha querida e admirada, Carla!

Acertei em cheio, não é?, ao deixar em suas mãos o retorno do Crônica do Dia.

Meu coração se enche de alegria e gratidão por esse presente de re-estréia.

Beijo com afeto,
Carmen disse…
Ótimas dicas, Carla!
Beijo
Ilton disse…
Estou voltando para fazer-lhe uma indicação do filme irlandês "A Excêntrica Família de Antônia". Sinceramente, vale à pena vê-lo. comentei sobre ele no meu blog. Desculpe se a importuno. Outro beijo.
Jandeco disse…
O que a gente diz depois disso? Obrigado, Carlitcha. Muito obrigado, mesmo.
adelson disse…
ih, eu vi esse filme, gostei da capa do dvd e peguei meio com pé atrás,achando que talvez fosse chato mas foi uma daquelas surpresas boas demais.
meio nessa linha também,também adorei o 'italiano para principiantes'.
Debora Bottcher disse…
Carla, querida,
Que bons afetos esses seus... :)
Obrigada por compartilhá-los.
E que beleza de arranjos vc fez - imagens, vídeos, bem legal.
Uma volta espetacular. :)
Um beijo.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …